Instituto Pensar - A Corrupção é Contrarevolucionária

A Corrupção é Contrarevolucionária

N√≥s, da esquerda em geral, principalmente os membros do PT, gostamos de dizer que durante os mandatos de Lula e Dilma foi realizada uma verdadeira revolu√ß√£o democr√°tica no Brasil. Quase 30 milh√Ķes de brasileiros foram incorporados, de alguma forma, √† sociedade de consumo. Os filhos da classe trabalhadora passaram a ter acesso √† universidade. Centenas de milhares de jovens tiveram acesso √† qualifica√ß√£o profissional atrav√©s do Pronatec.

O Sal√°rio M√≠nimo saltou de 80 para quase 300 d√≥lares. A universaliza√ß√£o da Bolsa Escola iniciada por FHC, transformada em Bolsa Fam√≠lia, atende a milh√Ķes de pessoas de nenhuma renda. S√£o avan√ßos que podem perfeitamente se encaixar na ideia do processo geral da Revolu√ß√£o Brasileira de que Caio Prado Jr. nos fala, e que se inicia entre 1808 e 1822 com o que ele chama de Brasil moderno. Ainda segundo Caio Prado seria invi√°vel pregar uma ruptura revolucion√°ria a uma sociedade que montou tantos la√ßos com o passado. Inclusive o passado colonial. Assim √© que os governos de Lula e Dilma, e de alguma forma os de FHC, fizeram parte desse processo de modernidade da Revolu√ß√£o Brasileira, que antecederia a fase da revolu√ß√£o marcada pela utopia da solidariedade socialista, como diz Jos√© Carlos Reis da Universidade Federal de Minas Gerais, em artigo sobre Caio Prado Jr.

Sem d√ļvida os governos de Lula e Dilma foram os mais avan√ßados socialmente. E vem agora a pergunta angustiante que deve assaltar todas as pessoas que acreditaram no sonho da revolu√ß√£o: seria poss√≠vel obter todos esses avan√ßos com um maior rigor √©tico? Haveria na democracia, condi√ß√Ķes pol√≠ticas reais para obter os avan√ßos sem pagar este ped√°gio a corruptos e a corruptores, tanto no atual governo como em todos os governos democr√°ticos do nosso passado recente? D√ļvida profunda e sincera. Poder-se-ia obter deste Congresso Nacional eleito, em grande parte, com dinheiro das empreiteiras, dos bancos, dos fabricantes de rem√©dios, dos fornecedores dos minist√©rios e das empresas estatais, uma maioria que garantisse a governabilidade? Um gerente da Petrobras disp√Ķe-se a devolver 250 milh√Ķes de reais, que √© parte da parte dele no botim em que certamente havia outros funcion√°rios, diretores ou pol√≠ticos. Ora isso n√£o √© mais uma propina para ajudar campanhas eleitorais. √Č um capital que se aplicado poderia estar gerando emprego e renda. No turismo, por exemplo, este capital se traduziria em cerca de 2.000 empregos.

√Č preciso refletir sobre outra quest√£o fundamental: em que medida a corrup√ß√£o atrasa a revolu√ß√£o brasileira? N√£o apenas pelo aspecto econ√īmico medido por quantas escolas, quantos hospitais, quantos m√©dicos, quantos cursos de qualifica√ß√£o profissional, quantos empregos poderiam ser pagos ou comprados com o dinheiro que corruptos e corruptores roubaram do povo brasileiro. E sim pelo que essa pr√°tica reduz a velocidade das mudan√ßas, afastando da pol√≠tica aqueles que n√£o se corrompem, aluindo os sonhos da juventude de transforma√ß√£o social, ensinando aos jovens que n√£o √© poss√≠vel fazer pol√≠tica sem sujar as m√£os, os p√©s e principalmente o cora√ß√£o. Fazer com que se sintam meio rid√≠culos os gestores p√ļblicos que se recusam a praticar il√≠citos que inclusive parecem tornar mais r√°pida e at√© eficiente a m√°quina administrativa.

Pode-se dizer que a corrupção é um fator contra-revolucionário que se coloca à direita do processo histórico, afinal é o dinheiro de impostos ou de investimentos das estatais, de qualquer forma é dinheiro do povo, do trabalhador que paga a maior parte dos impostos, dos empresários honestos prejudicados por uma concorrência dolosa.

A declara√ß√£o da Presidente Dilma no sentido que este caso da Petrobras vai mudar o Brasil nos d√° um fio de esperan√ßa.Mas n√£o bastam as palavras da Presidente. √Č preciso que se reorganizem as alian√ßas. Os partidos socialistas, as lideran√ßas, as pessoas de esquerda, enfim, que se pronunciem, se mobilizem para deixar claro que a corrup√ß√£o √© um fator contra-revolucion√°rio, que puxa o Brasil para tr√°s e que, no caso de um governo progressista, significa um inaceit√°vel e vergonhoso retrocesso.

Domingos Leonelli



0 Coment√°rio:


Nome: Em:
Mensagem: