Instituto Pensar - Brasil concorre a título de Cidade Criativa com quatro municípios

Brasil concorre a título de Cidade Criativa com quatro municípios




Por
 Reda√ß√£o

Quatro munic√≠pios brasileiros concorrem, este ano, ao t√≠tulo de Cidade Criativa, da Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas para a Educa√ß√£o, a Ci√™ncia e a Cultura (Unesco). A certifica√ß√£o √© uma forma de reconhecer pr√°ticas que coloquem as ind√ļstrias criativas e culturais a servi√ßo do desenvolvimento social local. Tr√™s capitais ¬Ė Belo Horizonte, Fortaleza e Aracaju ¬Ė disputam nas categorias gastronomia, design e m√ļsica, respectivamente, e o munic√≠pio interiorano de Cataguases, em Minas Gerais, na de cinema.

Além das quatro categorias,a disputa inclui as categorias artesanato, artes folclóricas, literatura e artes midiáticas. De acordo com a Unesco, a relação dos vencedores será anunciado no final do ano.

Com 15 anos de exist√™ncia, a Rede de Cidades Criativas congrega 180 cidades de 72 pa√≠ses, das quais oito est√£o no Brasil. Bel√©m e Florian√≥polis, por exemplo, ganharam destaque na √°rea da gastronomia, ao passo que Bras√≠lia e Curitiba entraram para a lista da Unesco devido √† sua produ√ß√£o no campo do design.

F√°brica do Futuro

O diretor do Instituto F√°brica do Futuro, C√©sar Piva, relembra como Cataguases, cidade com cerca de 75 mil habitantes, tornou-se um polo de cinema. O movimento vem ocorrendo desde 2002, quando representantes de v√°rios setores se aproximaram para fazer a ideia engrenar. Juntaram-se, em torno do mesmo desejo, lideran√ßas locais, institui√ß√Ķes do terceiro setor, funda√ß√Ķes, grupos culturais, empresas privadas e gestores municipais. Naquele ano, o plano j√° dava frutos √† comunidade, com a inaugura√ß√£o do Centro Cultural Humberto Mauro, que disp√Ķe de um cineteatro de 272 lugares, um memorial que homenageia o cineasta, considerado um dos pioneiros do cinema brasileiro, e uma galeria de arte.

"Esse grupo anunciou um programa de cultura e desenvolvimento local que tinha a cultura, especialmente o audiovisual e as novas tecnologias, como uma diretriz para uma nova possibilidade de desenvolvimento para a regi√£o: o desenvolvimento social, cultural e econ√īmico. A partir de l√°, v√°rios estruturantes foram realizados, essa rede de coopera√ß√£o local, projetos de eventos, festivais de cinema, programas de forma√ß√£o de p√ļblico, resid√™ncias criativas, projetos experimentais junto a jovens talentos da regi√£o, programas de forma√ß√£o e capacita√ß√£o. Ou seja, foi feito todo um trabalho de prepara√ß√£o da cidade para implanta√ß√£o do polo¬Ē, disse Piva, que tamb√©m est√° √† frente da ag√™ncia do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais.

Piva destacou que uma obra, especificamente, ajudou a dar ainda mais proje√ß√£o √† iniciativa que coletivamente ganhava intensidade. Segundo ele, um dos fatos que chamaram a aten√ß√£o do governo federal foi o lan√ßamento da refilmatem de Meu P√© de Laranja Lima, em 2012. O longa-metragem foi rodado em Cataguases e tem dire√ß√£o de Jos√© de Abreu e Marcos Bernstein, que assinou, com Jo√£o Emanuel Carneiro, o roteiro de Central do Brasil.

O diretor da F√°brica do Futuro ressalta que a recompensa pela mobiliza√ß√£o chegou na forma de novas parcerias e de um edital, firmado com colabora√ß√£o da Ag√™ncia Nacional do Cinema (Ancine), no valor de R$ 10,5 milh√Ķes. Al√©m disso, profissionais de toda a cadeia de produ√ß√£o puderam viajar Brasil afora e para o exterior, para ampliar seu conhecimento, acrescentou Piva. "Ou seja, um pequeno munic√≠pio que tem feito um trabalho estruturador, h√° quase 20 anos, se estabelece como um centro de produ√ß√£o audiovisual, re√ļne parcerias, institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas e pol√≠ticas p√ļblicas e se torna um arranjo capaz de atrair grandes produ√ß√Ķes para serem realizadas na regi√£o. Agora vamos lan√ßar o edital, provavelmente um dos maiores do Brasil, no dia 2 de agosto, para que as produ√ß√Ķes continuem se realizando aqui. A previs√£o √© de triplicar o n√ļmero de filmes nos pr√≥ximos anos.¬Ē

Balan√ßo do N√ļcleo Intelig√™ncia Empresarial do Servi√ßo Brasileiro de Apoio √†s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que, de 2008 a 2018, foram realizadas na cidade 27 produ√ß√Ķes audiovisuais. Somente este ano, 14 obras dever√£o ser produzidas, das quais seis s√£o longas-metragens e cinco, curtas. H√°, ainda, previs√£o de que uma s√©rie de televis√£o seja gravada no local.

O levantamento tamb√©m indica que, no per√≠odo, as produ√ß√Ķes geraram 1,5 mil empregos diretos e R$ 14 milh√Ķes em investimentos, provenientes de isen√ß√Ķes fiscais de √Ęmbito federal e estadual. No total, injetaram-se R$ 29 milh√Ķes na economia da regi√£o.

Para C√©sar Piva, a economia criativa √© um ramo que produz "impactos important√≠ssimos na economia de qualquer pa√≠s¬Ē, por fazer girar oportunidades. "√Č uma ind√ļstria limpa, ela √© inesgot√°vel, √© sustent√°vel, promove a autoestima de um pa√≠s, de uma cidade, promove nosso patrim√īnio cultural, nossa diversidade cultural. Ela √© considerada, no mundo todo, uma grande possibilidade de diversifica√ß√£o, inclusive, do desenvolvimento. Isso, por si s√≥, deveria ser entendido como um grande valor a ser incentivado por qualquer pessoa no Brasil, no mundo e no governo. E acho que a gente est√° confirmando isso. A Rede Cidade Criativas confirma que, no Brasil, essa dimens√£o continental, essa riqueza regional, plural, essa diversidade cultural existe em todos os lugares, n√£o s√≥ nos grandes centros, mas tamb√©m nas pequenas e m√©dias cidades.¬Ē

Fonte: Ag√™ncia Brasil



0 Coment√°rio:


Nome: Em:
Mensagem: