Instituto Pensar - Herman Bessler: Economia criativa e um projeto de país

Herman Bessler: Economia criativa e um projeto de país

O profissional do século XXI precisa de habilidades que o tornem apto a transitar neste mercado


por O Dia

Rio - O futuro do trabalho j√° √© assunto de redes sociais e mesas de bar. Natural, pois algo como 30% dos empregos atuais ir√£o desaparecer nos pr√≥ximos vinte anos. Ainda que especialistas discordem sobre os n√ļmeros, a automa√ß√£o de fun√ß√Ķes, a substitui√ß√£o de pessoas por rob√īs de atendimentos e at√© softwares de intelig√™ncia artificial com capacidade para negociar a√ß√Ķes - ou escrever artigos como este - traz a dura realidade para um prazo mais curto do que se imagina.

O profissional do s√©culo XXI precisa de habilidades que o tornem apto a transitar neste mercado. A alfabetiza√ß√£o digital e midi√°tica, o empreendedorismo e a flexibilidade cognitiva est√£o distantes da l√≥gica atual da educa√ß√£o no Pa√≠s, que continua a prezar a repeti√ß√£o, o conte√ļdo encaixotado e a hierarquia.

Vivemos um cen√°rio de incerteza econ√īmica ap√≥s um longo per√≠odo de recess√£o. Ainda assim, a economia criativa (conjunto de 22 setores que tem a criatividade como principal insumo) emerge como um dos principais setores para alavancar o crescimento. Servi√ßos ligados √† economia digital como jogos eletr√īnicos, v√≠deos online e m√≠dias sociais, por exemplo, est√£o entre os que mais se desenvolveram na √ļltima d√©cada no Pa√≠s.

H√° muito por fazer. Na confer√™ncia Brazil at Silicon Valley, que aconteceu este m√™s, evidenciou-se o contraste entre as maiores empresas americanas (Apple, Alphabet e Amazon), advindas da ind√ļstria criativa, e as maiores brasileiras (Petrobras, Ita√ļ, Vale), frutos de uma economia industrial que trouxe o Pa√≠s at√© aqui, mas que n√£o nos conduzir√° pelos pr√≥ximos 50 anos.

Carecemos urgentemente de pol√≠ticas p√ļblicas robustas e integradas de fomento ao ecossistema de inova√ß√£o no Pa√≠s. Um case de sucesso pode ser retirado do Programa Rio Criativo, de autoria da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Rio, e operado pela rede Templo.cc . H√° cerca de uma d√©cada, a iniciativa re√ļne uma incubadora, um espa√ßo de coworking, uma escola itinerante para empreendedores e um laborat√≥rio em desenvolvimento.

Programas como este podem ser reproduzidos por parcerias p√ļblico-privadas e geridos de forma relativamente aut√īnoma. Programas em escala nacional de forma√ß√£o para al√©m das universidades, com abordagens m√£o na massa e de f√°cil acesso s√£o igualmente bem-vindos e trazem boa perspectiva.

Se h√° uma agenda priorit√°ria e consensual, √© aquela que engloba pol√≠tica de inova√ß√£o, pesquisa e desenvolvimento, processo de transforma√ß√£o digital do poder p√ļblico e forma√ß√£o de uma m√£o de obra moderna e condizente com os desafios do nosso tempo.

Investir em uma nova matriz focada em inova√ß√£o digital e sustentabilidade √© o caminho mais efetivo para alcan√ßar o desenvolvimento social, econ√īmico e cultural que nos permita ser menos desiguais e, ao mesmo tempo, mais competitivos.

*Herman Bessler é fundador do Templo.cc, consultor de Inovação e empreendedor em série




0 Coment√°rio:


Nome: Em:
Mensagem: