Instituto Pensar - Depois do sucesso na Europa, Lula �� procurado para viajar para os EUA

Depois do sucesso na Europa, Lula é procurado para viajar para os EUA

Foto: Ricardo Stuckert

Por Plinio Teodoro

Após o sucesso de sua viagem pela Europa, onde encontrou chefes de Estado e lideranças progressistas, o ex-presidente Lula vem sendo sondado e já cogita estender o giro para os Estados Unidos no início de 2022, quando o debate eleitoral vai esquentar ainda mais. A informação foi confirmada pelo deputado Alexandre Padilha (PT-SP), ex-ministro da Saúde do governo do petista.

Há possibilidade, inclusive, de uma reedição do encontro de 2019 com o então presidente dos EUA, Barack Obama, que à época classificou o líder brasileiro como "o cara?.

Leia tambémLula emociona progressistas na Espanha: "O faminto não faz revolução?

Os convites ainda não foram oficializados, mas os contatos se intensificaram após a agenda de estadista de Lula na Europa.

Os discursos de Lula, que direcionaram temas para o enfrentamento na guerra de narrativas contra a ultradireita capitaneada por Donald Trump, que se estendeu para o mundo ? inclusive com a eleição de Jair Bolsonaro no Brasil -, chamara a atenção de lideranças democratas dos EUA.

Presidente defendeu universalização da pauta ambiental

Mesmo recheado de críticas à políticas históricas dos EUA ? como o bloqueio econômico a Cuba -, Lula norteou seus discursos para uma pauta universalista, enfatizando a necessidade da formação de uma "governança global democrática?.

Defendendo que a esquerda estenda a mão aos famintos e fragilizados, em uma pauta que tenta ser sequestrada pela ultradireita, Lula focou a questão ambiental como pauta prioritária a ser debatida em todo o mundo.

"Além dessa questão da fome, da desigualdade. Eu saí da cadeia com outra disposição. A questão ambiental não é mais só questão dos ambientalistas. A questão ambiental não é mais do Partido Verde, da classe média sofisticada, intelectual. A questão ambiental é uma questão do povo brasileiro, do povo espanhol, do povo do planeta Terra. Nós só temos ele?, afirmou.

O discuso vai ao encontro do que defende o governo Joe Biden, que durante a campanha criticou duramente Bolsonaro ? associado a Trump ? pela destruição da Amazônia.

"A questão da Amazônia, a gente tem que deixar claro que a Amazônia é um território brasileiro, portanto o Brasil é soberano. Agora a riqueza da biodiversidade amazônica tem que ser compartilhada com o mundo?.

Lula ainda enfatizou a necessidade de se formar parcerias para pesquisas na floresta para oferecer melhores condições de vida a 25 milhões de pessoas que moram na região amazônica.

"Nós não queremos transformar a Amazônia em um santuário da humanidade. O que nós queremos é explorar cientificamente a riqueza da biodiversidade para dela ver se tira alguma coisa para ajudar o povo brasileiro e o povo do mundo?, afirmou.



0 Comentário:


Nome: Em:
Mensagem: