Instituto Pensar - O Terceiro Salto do Primeiro Destino

O Terceiro Salto do Primeiro Destino

A Bahia de todos nós ,está em primeiro lugar na preferência dos brasileiros que viajam ou que pretendem viajar em 2008 e 2009. A pesquisa da Vox Populi com a chancela do Ministério do Turismo tem vários significados e confirma o que nós, baianos, sentimos e sabemos. Somos um povo alegre, hospitaleiro e, de maneira geral, gentil e delicado. Apesar das perdas, dentre elas a violência urbana, geradas por uma sociedade de massa marcada pela miséria, a baianidade persiste.

E isso também é revelado na pesquisa da Vox Populi. Depois da beleza natural e das praias que ocupam 50% dos aspectos positivos da viagem vem a avaliação positiva da cultura local e da população com 14,5%.

N√£o se pode atribuir exclusivamente a atua√ß√£o do governo e a atual administra√ß√£o do turismo a responsabilidade total por este resultado. Mas n√£o se pode tamb√©m retirar-lhe o m√©rito por ter sabido "manter a tradi√ß√£o" e levar a Bahia a um primeiro lugar ¬Ė na frente do Rio de Janeiro e S√£o Paulo ¬Ė que nunca havia alcan√ßado antes em nenhum aspecto do turismo brasileiro.

Claro que o Rio e São Paulo continuam em nossa frente no fluxo quantitativo de turistas nacionais e estrangeiros. Entretanto pouco antes da divulgação da pesquisa da Vox Populi, São Paulo e Rio estavam na frente da Bahia também em avaliação sobre "melhor destino" pela conceituada Revista Viagem da Editora Abril. Mais ampla e profunda a pesquisa encomendada pelo Ministério do Turismo foi realizada em todos os estados e confirmou: a Bahia está em primeiro lugar na preferência dos brasileiros.

Creio que esta posição da Bahia deve-se também a um compromisso essencial assumido pelo Governador Jaques Wagner e levado a prática pela SETUR e pela Bahiatursa: o turismo na Bahia é uma política de Estado e não apenas de governo. Procuramos compreender e incorporar todas as conquistas realizadas ao longo do século XX pelo turismo na Bahia, corrigir problemas e preencher lacunas, empreendendo o que chamamos de Terceiro Salto da trajetória histórica do turismo baiano, já agora no século XXI.

Vale registrar que come√ßamos a enfrentar este novo salto em meio a crises gerais e espec√≠ficas em rela√ß√£o ao turismo, pois no come√ßo de 2007 ainda viv√≠amos o resultado da quebra da Varig, est√°vamos no √°pice da crise dos aeroportos e com uma situa√ß√£o cambial extremamente desfavor√°vel ao turismo. Internamente demos cumprimento a decis√£o de reestruturar uma secretaria voltada exclusivamente ao turismo, separando administrativamente da Cultura. Colocamo-nos ao lado do "trade tur√≠stico baiano" e nos atiramos juntos em busca de solu√ß√Ķes.

Novos produtos, novos servi√ßos, novos investimentos p√ļblicos e privados, novo tratamento a segmentos como a n√°utica, o turismo rural e o esporte; nova forma de relacionamento com os atores do setor e novos investimentos em qualifica√ß√£o comp√Ķem o in√≠cio deste Terceiro Salto.

Dezesseis novos v√īos internacionais regulares por semana foram acrescentados nos √ļltimos tr√™s anos ao fluxo a√©reo para Salvador. Novos v√īos "charters" internacionais tamb√©m foram captados para Salvador e Porto Seguro. O Aeroporto de Len√ß√≥is que h√° cinco anos n√£o recebia nenhum v√īo regular j√° tem um v√īo semanal e ate o final deste ano dever√° ganhar outro. Os aeroportos regionais de Valen√ßa e Paulo Afonso s√£o os pr√≥ximos objetivos.

A estrat√©gia do Terceiro Salto baseia-se num trip√© de sustentabilidade: inova√ß√£o, qualidade e integra√ß√£o econ√īmica. Esses tr√™s eixos voltam-se para preencher lacunas estruturais do modelo de desenvolvimento do turismo em nosso Estado e tamb√©m enfrentar os desafios da sazonalidade e da satisfa√ß√£o do cliente turista, fator essencial para o primeiro lugar que a pesquisa Vox Populi/ MTur assegurou √† Bahia.

Assim √© que o Espicha Ver√£o visa impedir que o ver√£o acabe junto com o carnaval. J√° o S√£o Jo√£o da Bahia, como um novo produto tur√≠stico, volta-se para ampliar o fluxo tur√≠stico nacional naquele que √© um dos piores meses do ano para a hotelaria de Salvador, de Ilh√©us e Porto Seguro, nossos port√Ķes de entrada a√©rea. O GP Bahia do Stockcar, calendarizado por cinco anos, passou a ser uma poderosa arma contra a reduzida ocupa√ß√£o hoteleira de agosto. J√° o enoturismo al√©m de contribuir para reduzir a sazonalidade d√° sentido a uma zona tur√≠stica que s√≥ existia no papel: a regi√£o do Rio S√£o Francisco.

S√£o Jo√£o, Enoturismo, estrada Itacar√©- Camamu, qualifica√ß√£o de 1.200 jovens da √°rea rural, novos v√īos para o interior, apoio a eventos tur√≠sticos e culturais em praticamente todas as zonas, formata√ß√£o de novos roteiros, s√£o algumas das a√ß√Ķes que cumprem o compromisso do Governo do Estado com a interioriza√ß√£o do Turismo.

Ainda no eixo da inova√ß√£o, al√©m de novos produtos, segmentos e roteiros, introduzimos novos servi√ßos como o Disque Bahia Turismo o melhor Call Center tur√≠stico do Brasil, funcionando 24 horas em portugu√™s, ingl√™s e espanhol. Na verdade implantamos um Sistema Integrado de Informa√ß√Ķes Tur√≠sticas onde o nosso portal, totalmente reformulado e interligado a dezenas de outros sites e hotsites, alimenta de informa√ß√Ķes o Disque Bahia Turismo, os Servi√ßos de Atendimento aos Turistas e os Portais de Informa√ß√£o da Bahiatursa.

Inova√ß√£o de produtos e servi√ßos e qualifica√ß√£o profissional e empresarial setor de qualifica√ß√£o √© importante assinalar que multiplicamos por 10 os investimentos que se realizaram na administra√ß√£o anterior que nunca passou dos cerca de quinhentos mil reais aplicados pela Secretaria de Cultura e Turismo nesse setor. O governo atual, somente atrav√©s da Setur, est√° investido cerca de 15 milh√Ķes de reais nos 3 √ļltimos anos.

Se a qualifica√ß√£o faz uma interface com a inova√ß√£o para um produto Bahia mais atraente, tamb√©m se relaciona com o terceiro eixo do terceiro salto, a integra√ß√£o econ√īmica. Os investimentos nessa √°rea possibilitam assegurar m√£o-de-obra e empresas baianas atendendo ao mercado tur√≠stico j√° existente, como tamb√©m aos novos hot√©is, resorts, pousadas e equipamentos tur√≠sticos que est√£o por via: 5,4 bilh√Ķes de d√≥lares de investimentos privados ser√£o realizados at√© 2017.

O atual governo encontrou registrados na SUINVEST, 2,2 bilh√Ķes de d√≥lares. Em 3 anos esses investimentos mais do que dobraram. Nem todos foram atra√≠dos diretamente pela Secretaria de Turismo, mas quase todos tiveram na SUINVEST um importante apoio.

Mas a integra√ß√£o econ√īmica do turismo n√£o se d√° apenas no plano social do trabalho e das empresas ligadas aos investimentos tur√≠sticos. Este objetivo estrat√©gico visa, principalmente, preencher a mais grave loucura do modelo de desenvolvimento que herdamos: a quase completa desvincula√ß√£o dos complexos hoteleiros e dos equipamentos tur√≠sticos da Bahia das economias regionais dos seus entornos.

O papel indutor do turismo desenvolvimento econ√īmico das zonas tur√≠sticas limitava-se aos efeitos, digamos "naturais" dos investimentos em infra-estrutura implantados pelo Estado. A Bahia sequer conhece a quantidade, a origem e a circula√ß√£o das mercadorias e dos bens de consumo de sua rede hoteleira. E se n√£o consegue como planejar a atra√ß√£o de investimentos para atend√™-la, ou mesmo a organiza√ß√£o local para ampliar e dinamizar os arranjos produtivos locais.

O quarto ano de nossa gest√£o dever√° ter a integra√ß√£o econ√īmica como dos seus principais carros-chefe. Al√©m de uma grande pesquisa que se inicia ainda em 2009, estamos nos articulando com outras secretarias e minist√©rios, no sentido de implantar imediatamente, em Porto Seguro, por exemplo, arranjos produtivos locais comecem a cobrir as necessidades j√° evidenciadas a olho nu.

E pelo menos um dos novos produtos tur√≠sticos j√° nasceu sob o signo da integra√ß√£o: o enoturismo que se desenvolve √†s margens do Rio S√£o Francisco com a vin√≠cola Miolo ¬Ė Lovara no munic√≠pio de Casa Nova.Outro grande projeto nessa dire√ß√£o √© a reurbaniza√ß√£o tur√≠stica da Feira de S√£o Joaquim, por onde a SETUR j√° captou 30 milhoes de reais junto ao " Ministerio do Turismo".

O Plano Estrat√©gico do Terminal N√°utico, "pari-passu", a transforma√ß√£o do Rec√īncavo num distrito tur√≠stico cultural, al√©m de resgatar a Ba√≠a de Todos os Santos para o turismo e a economia, desenvolver-se-√£o numa perspectiva integradora de atividades tur√≠sticas, de servi√ßos e de cultura. Finalmente √© necess√°rio tamb√©m registrar as batalhas momentaneamente perdidas e os desafios a vencer.

Os projetos de transforma√ß√£o do Parque de Exposi√ß√Ķes de Salvador na Cidade da M√ļsica e a implanta√ß√£o de grande Parque Agropecu√°rio Tur√≠stico em Feira de Santana, ainda est√£o em exame.



0 Coment√°rio:


Nome: Em:
Mensagem: